Jogo do Nunca

Jogo do Nunca

Os Jogos do Nunca têm como objetivo trabalhar o princípio de agrupamento de quantidades em diferentes bases para que a criança compreenda o sistema de numeração decimal.

O trabalho com agrupamentos e trocas leva os alunos à noção de base de um sistema de numeração. A base  é o número que indica como são feitos os agrupamentos nesse sistema.

Assim, como um dos princípios do sistema de numeração decimal é o de agrupamentos e trocas, é importante experimentar esse princípio em várias bases para compreendê-lo, em particular, na base dez. Ler mais

Aula de exercícios animada pelo jogo de poker

Aula de exercícios animada pelo jogo de poker

Nas aulas de matemática, em geral,  é necessário propor aos alunos a realização de exercícios de fixação e o sucesso da aprendizagem está relacionado com a compreensão e resolução de tais exercícios.

Porém, os estudantes acham muito chatas aquelas listas intermináveis de exercícios. E eles têm razão! As aulas tornam-se enfadonhas quando a dinâmica do professor é apenas baseada em quadro, livro, pincel e listas de exercícios.

É preciso encontrar formas para tornar os tais exercícios divertidos! Eu utilizo um jogo de poker com algumas regras criadas por mim e tenho obtido ótimos resultados.

Vou explicar para você como funciona esta estratégia.

Antes de mais nada, quero lhe contar que já utilizei esta técnica com turmas de ensino fundamental, ensino médio e, também, em cursos superiores de engenharia. Todas as turmas gostaram, participaram e até vibraram com o jogo. No final das aulas, os estudantes saíram bem satisfeitos pois fizeram uma atividade diferente e aprenderam bastante!

Bem, em primeiro lugar escolho um conteúdo qualquer que desejo fixar. Depois, preparo as questões em um PowerPoint, sendo uma questão em cada slide.

Na figura abaixo estão alguns slides que utilizo nas aulas de Álgebra Linear, em cursos de Engenharia.

Após a elaboração dos slides, é necessário providenciar as moedas para o jogo.

Na imagem abaixo mostro as moedas que utilizo: são fichas plásticas coloridas adquiridas em lojas de brinquedos. Outra opção é confeccionar as fichas em EVA.

 

Eu utilizo fichas de mesma cor e, para uma sala de 50 alunos organizados em trios, são necessárias em torno de 200 fichas.

A turma é dividida em pequenos grupos de três ou quatro pessoas. Para turmas pequenas (20 a 30 alunos) podem ser formadas duplas. É muito importante que o trabalho seja feito em grupos para promover a troca de ideias e a discussão que enriquecem o aprendizado.

Estando os grupos formados explico as regras do jogo:

1 – Cada grupo receberá 5 fichas.

2 – Em cada rodada será apresentado um exercício em PowerPoint para a turma toda e será escolhido um grupo para fazer a aposta inicial. Este grupo será chamado de “grupo-dealer” que deverá apostar 1, 2 ou 3 fichas, no máximo.

3- O grupo-dealer deverá fazer a aposta imediatamente após a leitura do exercício.

4 – Os demais grupos poderão fazer a mesma aposta que o dealer, dobrar a aposta ou desistir. Serão permitidas apenas três desistências durante toda a atividade.

5- Todas as apostas deverão ser colocadas em local de destaque na mesa do grupo.

6 – Após todos os grupos apostarem, o grupo dealer poderá dobrar a aposta, se quiser.

7 – Os grupos terão 5 minutos cronometrados para a resolução do exercício. É permitida a consulta nos materiais dos alunos.

8 – Após o tempo estabelecido, o professor passará em cada grupo e analisará a resolução. Se a resposta estiver correta, o grupo receberá tantas moedas quantas apostou; caso contrário,  perderá as moedas apostadas. Nenhum grupo poderá falar em voz alta sua resposta para evitar que os demais grupos reformulem suas resoluções.

9 – O jogo prossegue com uma nova questão  apresentada e outro grupo-dealer escolhido para fazer a aposta inicial.

10 – Na última questão, cada grupo poderá apostar quantas fichas quiser e, após a correção, vencerá o grupo que tiver juntado mais fichas.

O jogo é muito emocionante e o fato de fazer apostas entusiasma os estudantes!

É de suma importância, em algum momento,  resolver com a classe as questões apresentadas. Poderá ser imediatamente após a correção de cada exercício ou ao final do jogo.

Eu resolvo e explico no quadro cada questão logo após a correção feita nos grupos.

 

Os alunos são muitos receptivos e participam com satisfação da atividade.

 

O final do jogo é sempre muito emocionante pois os grupos normalmente apostam todas as fichas que conseguiram juntar até aquele momento. Então os grupos que que errarem a última questão perdem tudo!

Costumo premiar o grupo vencedor, ou os grupos vencedores caso haja empate. A premiação pode ser alguns décimos na nota da disciplina ou, até mesmo, uma caixa de bombons que é repartida entre os componentes.

Este jogo aplicado nas aulas de matemática ou de qualquer outro componente curricular é sucesso garantido!

 

 

Como decorar as tabuadas!

Como decorar as tabuadas!

Professores e pais travam uma verdadeira batalha para auxiliar as crianças na memorização das tabuadas! Todo e qualquer recurso que apresente a mínima possibilidade para ajudar nessa empreitada é utilizado: repetição das frases multiplicativas oralmente ou por escrito; dominós, memória e outros diversos jogos; músicas, etc.

As crianças, normalmente, não gostam de “gastar” o tempo de lazer e brincadeiras para estudar as tabuadas. Elas acham enfadonho e sem graça repetir, repetir e repetir. Ler mais

Compreendendo volumes

Compreendendo volumes

De acordo com o dicionário, volume de um corpo é o espaço ocupado por ele. Para medir este espaço utilizam-se unidades de medidas de volume, tais como, metro cúbico, decímetro cúbico e centímetro cúbico.

Para auxiliar os alunos a compreenderem estas noções é importante propor diferentes atividades práticas, tais como as que vou sugerir em seguida. Ler mais

O metro e seus submúltiplos

O metro e seus submúltiplos

A aula sobre medidas de comprimento pode iniciar com algumas questões investigativas, tais como: Qual a medida do comprimento da sala? Qual a medida da largura da classe?

Para fazer estas medidas pode-se utilizar, por exemplo, passos ou pés para o comprimento da sala e palitos de picolé ou palitos de fósforos para a largura da classe. Esses experimentos mostrarão aos alunos que, dependendo da unidade de medida utilizada, os resultados encontrados serão diferentes. Ler mais

Ensinando as tabuadas com música

Ensinando as tabuadas com música

Olá professor!

A tabuada deve ser decorada e sobre isso não há o que discutir, certo? Certíssimo!

Também é certo que, antes da memorização, deve haver a construção das tabuadas para que os estudantes compreendam os significados das frases multiplicativas!

 

Neste texto, quero contar para você como ensinei meus filhos a memorizarem as tabuadas com música e como fazem muitos  professores, já formados por mim em cursos de Pedagogia ou em cursos de curta duração, para promover, em sala de aula, a fixação das tabuadas.

Ler mais

Conectando Literatura e Matemática

Conectando Literatura e Matemática

O trabalho com a matemática na educação infantil e anos iniciais fica muito mais rico se o professor promove atividades que fazem conexão com a literatura infantil. As histórias podem atuar como um estímulo, desafiar os estudantes e trazer a ludicidade ao processo de ensino-aprendizagem.

A literatura infantil permite, também, que a interdisciplinaridade ocorra, facilitando o entrelaçamento entre conceitos da vida real e a linguagem matemática. A partir de diferentes enredos é possível explorar muitos tópicos de matemática utilizando representações gráficas, físicas, numéricas e verbais (Kátia Smolle et all).

Seguem, abaixo, algumas ideias. Leia, também, o artigo Literatura Infantil x Matemática que trata sobre o mesmo assunto. Ler mais

Cruzadinhas matemáticas com a calculadora

Cruzadinhas matemáticas com a calculadora

Nesta semana realizei uma oficina de matemática com alunos do ensino médio da Escola Elisa Tramontina de Carlos Barbosa, por ocasião da visita deles à Universidade. Propus aos jovens um desafio: elaborar cruzadinhas matemáticas com a calculadora.

Mas o que são cruzadinhas matemáticas?

Cruzadinhas matemáticas nada mais são do palavras cruzadas geradas por expressões numéricas, que devem ser resolvidas com a máquina, e cujos resultados revelam palavras quando a calculadora é virada de ponta-cabeça!

 

Isso mesmo, a resolução correta da expressão gera uma palavra que preenche a cruzadinha!

Os alunos gostaram bastante e eu vou contar para vocês os detalhes desta experiência. Ler mais

Literatura Infantil x matemática

Literatura Infantil x matemática

Aliar a literatura infantil à matemática dá muito certo! Os alunos ficam fascinados e envolvidos pelas histórias e, sendo assim, um contexto de encantamento e significado auxilia no processo de ensino-aprendizagem da matemática.

No livro Matemática e Literatura Infantil, Kátia Smole e outros autores destacam que a integração entre a matemática e a literatura representa uma mudança significativa no ensino tradicional desse componente curricular porque os estudantes exploram a matemática e a história ao mesmo tempo. Ler mais